Casas

DECORAR O APARTAMENTO NOVO – COMEÇAR AOS POUCOS E COM SIGNIFICADOS – CADA CANTINHO CONTA HISTÓRIAS

Eu já te mostrei a arquiteta Helena Camargo duas vezes no canal, mas agora chegou a hora de visitá-la em seu novo apartamento e ver como ela está começando a decorar nesses dois primeiros meses morando ali.

Conversamos sobre significados de casa objeto e mostro como ela está aos poucos se colocando no apartamento através de uma decoração cheia de significados. Atenção para o efeito de luz especial que ela colocou no banheiro, para as portas mimetizadas que somem na parede, para os vasos lindos de plantas e como ela valoriza tudo que aprendeu quando era criança estudando na escola antroposófica Waldorf.

A Helena mora nesse apartamento faz pouco tempo, mas são tantos objetos com memórias afetivas poderosas que a decoração já está perfeita.

Para começar, a Helena conta porque escolheu a porta na cor amarela. “É como se fosse um portal de luz”, diz ela. Como é arquiteta, é claro que todo o projeto da reforma foi feito por ela mesma. A escolha de descascar o teto e deixar o concreto exposto veio depois de um pouco de dúvida, mas a vontade falou mais alto.

Esse é o cantinho preferido da Helena na casa. A cadeira linda e super confortável é um dos motivos.

Ao lado, ela colocou seus livros preferidos, objetos de viagens e presentes de amigos. “Eu amo viajar, vivo para trabalhar e viajar”, brinca ela.

A maleta amarela de viagem tornou-se um item de decoração indispensável e um ótimo lembrete dos seus sonhos e bons momentos. No vídeo completo, você pode descobrir a história de cada objeto e onde ela adquiriu, como os leques africanos e os pentes indígenas expostos na parede.

Como não queria deixar a porta do quarto aparecendo na sala, a Helena optou por adicionar um painel de madeira na parede e “sumir” com a porta. Ficou incrível!

Esse painel branco virou pano de fundo para um cantinho mais que especial, cheio de plantas.

A Helena conta que esse vaso foi pintado especialmente com as cores que ela escolheu, azul e rosa, o que criou um contraste lindo com o restante dos vasos de palha. Adorei!

Você acredita que essas duas cadeiras de madeira eram da escola que a Helena estudou quando criança? Ela conta que foi no bazar da escola e ficou emocionada em levar para casa essa parte tão importante da sua história.

Da sala de estar vamos para a espaçosa cozinha. Aqui, ela tirou a parede do segundo quarto e transformou em sala de jantar integrada.

É a primeira vez que eu mostro um balcão oval! A própria Helena que desenhou, e conta que o marceneiro topou o difícil desafio de curvar o compensado naval. O balcão continua para dentro da cozinha, se tornando um armário estreito, mas que cabe tudo.

O azulejo branco é todo original do apartamento, e repare que ela pintou o exaustor e o batente da porta que vai para a área de serviço de azul, um charme. Aliás, a porta saiu também para liberar espaço.

Exposta nas prateleiras está uma coleção de gritar, com mais de vinte chás dos mais diferentes lugares do mundo. Ah, e para quem não tem quintal, aqui está outra dica: uma série de vasos diferentes enfileirados trazem vida e energia para a casa.

Uma tábua de passar roupa bem antiga acomoda pedras decorativas, mas não é qualquer pedra! “Há muito tempo atrás eu era ourives, desenhava e esculpia as pedras. Sobraram algumas dessa época da escola e eu deixei aqui como lembrete dessa minha paixão”, conta Helena.

Fique atento aos objetos que você está descartando e que poderiam ser grandes símbolos na sua decoração. Fica a dica da Helena!

Esse quadro com três colheres é o preferido da Helena. O motivo? Representa ela e seus dois irmãos, e cada um deles que fez quando era criança, na escola Waldorf. Consegue adivinhar qual colher é da Helena? Assista o vídeo que ela conta!

A cozinha continua para uma ampla e iluminada sala de jantar. Eu corri para descobrir que “trem” é aquele pendurado.

“É uma experiência que está em processo”, conta Helena. Como o apartamento é pequeno, ela não tinha onde guardar esse tricô com lã de merino que trouxe da Itália e que está produzindo. A solução? Virou obra de arte na parede.

“Cozinhar é como uma orquestra”, diz Helena.

A prateleira guarda uma louça linda e colorida que fica sempre aparente, com alguns objetos de memória e outros de decoração. Ela tem um pegador de panela feito pela tia-avó de Portugal que originou seu nome, a tia Helena. Uaaau!

Como o banheiro é bem próximo da cozinha, a Helena optou por mimetizar a porta aqui também. Não tem segredo: é só empurrar, a maçaneta não faz falta.

Quem disse que não pode ter plantas no box? Aliás, a Helena usou tinta epóxi na área do chuveiro ao invés de azulejos. “O vizinho de baixo ainda não reclamou, mas eu moro aqui tem só 2 meses”, brinca ela.

O espelho é de gritar! “Eu desenhei esse espelho com base na janela do Sesc Pompéia, da Lina Bo Bardi”, explica Helena. Essa grade com porta-objetos fica entre trilhos, se movendo conforme necessidade.

A Helena conta que na casa anterior tinha um banheiro enorme, com pé direito de 3 metros! “A maioria das ideias que eu tenho é tomando banho, e eu ia mudar para um banheiro pequeno, fiquei com medo de dar bloqueio criativo”, conta ela rindo. A solução para ampliar? Domos de luz!

Foram abertos dois buracos circulares na parte, e do outro lado é a área de serviço, onde a Helena instalou dois domos de acrílico. Assim, além de ficar super divertido, a iluminação (tanto natural quanto artificial a noite) atravessa para a cozinha.

Vamos conhecer o quarto?

Esse puxador foi feito com madeira maçaranduba, trazida de uma viagem para a Amazônia. “Consegui finalmente fazer um puxador, estava quase ficando trancada”, brinca Helena.

Pensa em um quarto charmoso e romântico? As cores delicadas combinam entre si e fazem uma harmonia perfeita com a madeira. O guarda roupa antigo foi pintado de verde, mas um detalhe foi preservado.

Cada detalhe aqui tem uma história, e muitos deles foram presentes de pessoas queridas. Esse móvel foi desenhado pela própria mãe da Helena. O tapete era de um tio muito querido. Fora os colares, quadros e mais obras de arte cheias de significado.

Essa cadeirinha antiga fica na varanda do quarto, onde ela cria, experimenta e coloca a mão na massa. Eu fiquei super feliz e emocionado de visitar essa amiga querida e profissional incrível.

Para conhecer mais sobre o trabalho da Helena Camargo visite: https://www.instagram.com/h2carquitetura/


Lembre-se de se inscrever aqui no meu canal também: https://goo.gl/aFe7h9

Me siga no instagram: https://www.instagram.com/lifebylufe/

E no site: https://lifebylufe.com/

Sigamos juntos!

Sempre existiram. Pessoas, lugares, encontros. Sempre existiram. Tangíveis, palpáveis, inimagináveis. Sempre existiram. Criações, intenções, ilusões. Sempre existiram. Existem, sempre existirão. Cenas que não são vistas somente com os olhos.

Write A Comment